sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Cunha recebeu propina por meio da Assembleia de Deus, diz PGR

Trecho da denúncia da PGR contra Eduardo Cunha
Trecho da denúncia da PGR contra Eduardo Cunha

A Igreja Evangélica Assembleia de Deus intermediou o recebimento de pelo menos R$ 500 mil em propinas ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) em 2012. A acusação foi feita pela PGR (Procuradoria Geral da República) e está na denúncia feita nesta quinta-feira (20) contra Cunha ao STF (Supremo Tribunal Federal). O dinheiro seria referente a propina do esquema investigado pela operação Lava Jato.


A PGR denunciou Eduardo Cunha e prefeita da cidade fluminense de Rio Bonito, Solange Almeida (PMDB), por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele é acusado de ter pedido e aceitado o pagamento de US$ 5 milhões em propinas referentes a contratos da Samsung com a Petrobras.

De acordo com a denúncia da PGR, Fernando Soares orientou o lobista Júlio Camargo, responsável pelo pagamento de propinas a Eduardo Cunha, para que ele efetuasse o pagamento de R$ 500 mil a deputado por meio de depósitos feitos na conta da Igreja Evangélica Assembleia de Deus.

“Soares teria alertado que pessoas dessa igreja iriam entrar em contato com o declarante [Júlio Camargo].Representantes da igreja procuraram Júlio Camargo e informaram os dados bancários da Igreja Evangélica Assembleia de Deus,” diz o texto.

Depois desse contato, empresas de fachada operadas por Júlio Camargo teriam feito três depósitos na conta da Igreja no dia 31 de agosto de 2012. Segundo a denúncia, a justificativa dada pelas empresas para os depósitos foi “pagamento a fornecedores”.

A PGR diz que “não há dúvidas” de que as transferências foram feitas por indicação de Cunha e para o pagamento de parte dos US$ 5 milhões em propina que teria pedido a Júlio Camargo.
Ainda de acordo com a PGR, a ligação entre Eduardo Cunha e líderes da Igreja Evangélica Assembleia de Deus é “notória”. Cunha é declaradamente evangélico.

“O diretor da referida Igreja perante a Receita Federal é Samuel Cássio Ferreira, irmão de Abner Ferreira, pastor da Igreja Assembleia de Deus Madureira, no Rio de Janeiro, que o denunciado [Cunha] frequenta”, afirmou.

A reportagem do UOL tentou entrar em contato com a Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Madureira, no Rio de Janeiro, por telefone, mas ninguém atendeu às ligações. O mesmo ocorreu em relação à prefeita de Rio Bonito, Solange Almeida.

UOL

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Pastor afirma ter estuprado criança de 10 anos "em nome da glória de Deus".

Crime ocorreu na cidade de Campo Grande (MS); acusado, que é tio-avô do menino, estava em liberdade condicional desde agosto do ano passado e foi autuado em flagrante pela polícia

O Dia
Acusado de estuprar um menino de 10 anos em troca de um par de chinelos e de um videogame, um pastor de 52 anos confessou à polícia ter cometido o abuso sexual "em nome da glória de Deus", nesta terça-feira (18). O crime ocorreu em Campo Grande (MS), na segunda (17).
O pastor, que é tio-avô do menino, foi autuado em flagrante após exame de corpo de delito na criança, que detectou ferimentos e sinais de sangramento em seu ânus. De acordo com o delegado Reginaldo Salomão, o acusado não se mostrou arrependido pelo crime. 



O delegado que ouviu o suspeito, que confessou o crime, nesta terça:
Adicionar legenda
TV Morena/Reprodução
O delegado que ouviu o suspeito, que confessou o crime, nesta terça: "Ele planejou tudo"

O pastor, cujo nome não foi divulgado, estava em liberdade condicional desde agosto do ano passado, quando foi solto após cumprir pena pelo estupro de outro menor de idade. Ele cumpriu a pena anterior em regime fechado e, se condenado mais uma vez, pode pegar de 8 a 15 anos de prisão.
Na segunda-feira (17), o menino havia sido deixado pelos pais na casa da avó, já que eles não poderiam ficar com a criança durante o dia por terem de trabalhar. Um primo, que flagrou o irmão da avó no momento em que ele praticava o abuso sexual, fez a denúncia à polícia. Os agentes foram até a casa da família e autuaram o pastor em flagrante.
O delegado conta que a avó do menino foi autorizada a acompanhar as investigações e o depoimento de seu irmão, mas, apesar de o pastor ter admitido o crime, ela não acreditou.
"Ele [o pastor] chegou a ajoelhar na frente dela, disse para a família orar por ele. Na verdade, é um dissimulado. Ele sabia bem o que estava fazendo. Planejou tudo", afirma o delegado. "Quando está apenas com os policiais, ele conversa normalmente. Mas, na frente da família, utiliza esse subterfúgio de dissimulação e afirma que está sendo incompreendido."
Apesar de ter admitido o estupro, o pastor preferiu não dar detalhes sobre o caso.
http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2015-08-18/pastor-afirma-ter-estuprado-crianca-de-10-anos-em-nome-da-gloria-de-deus.html

    terça-feira, 18 de agosto de 2015

    Seis líderes de seita religiosa são presos em operação da Polícia Federal

    Grupo religioso já foi alvo de operação da Polícia Federal sob mesma acusação em 2013 (Foto: Reprodução EPTV)

    Seis líderes de uma seita religiosa foram presos durante uma operação realizada pela Polícia Federal (PF), na manhã desta segunda-feira (17), em Minas Gerais, Bahia e São Paulo. A seita conhecida como "Comunidade Evangélica Jesus, a verdade que marca", é suspeita de manter fiéis em situação análoga à escravidão em propriedades rurais e empresas em Minas Gerais e Bahia, e ainda se apoderar de todos os bens das vítimas.

    Segundo a PF, o pastor que é um dos principais líderes da organização foi preso em Pouso Alegre (MG), e outras cinco pessoas, que formariam a cúpula da seita religiosa, foram detidas em Minas Gerais e Bahia.

    Além disso, foram bloqueados bens que pertencem aos líderes da seita, entre eles 39 imóveis rurais em Minas Gerais e Bahia, além das contas físicas e jurídicas dos envolvidos. Também foram apreendidos documentos e computadores.

    A polícia pediu ainda o bloqueio pelo Detran de mais de 100 veículos que pertenciam à seita, incluindo carros de luxo.

    Os suspeitos estão presos temporariamente por cinco dias, podendo ter a prisão prorrogada por mais cinco dias. Eles serão levados para presídios em Três Corações (MG), São Paulo e Bahia.
    Os envolvidos podem responder pelos crimes de redução de pessoas à condição análoga à de escravo, tráfico de pessoas, estelionato, organização criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. A pena pode chegar a 30 anos de prisão.

    Seita religiosa

    De acordo com o delegado da Polícia Federal em Varginha (MG), João Carlos Girotto, os fiéis frequentavam uma igreja com sede na capital de São Paulo e, em seguida, eram convencidos a ir para o interior do estado, com uma mudança completa de vida.

    "[Eles eram levados para o interior] sob a promessa de que viveriam em comunidades onde vigeria o princípio da igualdade absoluta. Todos os bens seriam de todos. Ao adentrarem na seita, as pessoas são convencidas a entregarem todos os seus bens, móveis e imóveis, e na sequência são transferidas para fazendas, onde trabalham sem remuneração. Lá eles também têm a liberdade cerceada e, ao irem para as cidades, são escoltadas por membros da seita", afirma Girotto.

    Ao entrarem para a seita, os fiéis assinavam um termo de doação de todos os seus bens. Nas fazendas da organização, trabalhavam executando atividades agrícolas e também em postos de combustíveis e restaurantes. Os funcionários assinavam recibos de pagamento pelos serviços, mas não recebiam os salários, que ficavam com a seita.

    "[Os líderes conseguiam] um lucro exorbitante com o trabalho deles e doações", diz o delegado da PF. A estimativa é que o patrimônio recebido em doações dos fiéis chegue a pouco mais de R$ 100 milhões. Parte do dinheiro teria sido convertido em grandes fazendas, casas e veículos de luxo.
    Ainda segundo o delegado, a organização teve início em 2007 nas cidades de Ribeirão Preto (SP) e São José do Rio Preto (SP), e em seguida foi transferida em 2012 para o interior de Minas Gerais.

    Após a operação da Polícia Federal nas fazendas da região, em 2013, a seita começou a se transferir para a Bahia. "Assim que a polícia começava a investigar a atuação deles em determinados lugares, eles se transferiam para outras regiões", afirma o delegado da PF Thiago Severo de Rezende.

    As propriedades doadas à instituição eram automaticamente vendidas e os valores transferidos para os líderes da seita. A organização ainda usava "laranjas", que agiam como sócios das empresas, para quem os valores eram transferidos. Os contratos sociais dessas empresas eram alterados constantemente, o que dificultava o trabalho da polícia.

    "Essas pessoas não tinham renda para justificar esses lucros e, por isso, nós fomos rastreando aos poucos esses sócios", completa Girotto.

    Perfil das vítimas

    Segundo o delegado da Polícia Federal que preside a investigações, Thiago Severo de Rezende, as vítimas estavam em um estado de fragilidade emocional muito grande, geralmente com problemas familiares.

    Entre os membros, há desde pessoas simples, sem bem nenhum, como também alguns que possuíam propriedades e dinheiro que eram passados à instituição.

    Nas fazendas da seita onde viviam, os fiéis se dividiam em moradias comunitárias. A partir do momento em que entravam na seita, elas viviam em isolamento total, sem contato com as famílias, e acreditavam que estavam fazendo tudo pela comunidade.

    "Grande parte das pessoas não entendem que são exploradas. Elas ainda acham que a polícia está perseguindo a comunidade", diz Rezende.
    Segundo o delegado Girotto, entre as vítimas, existem dois servidores públicos que doaram todos os seus bens e algumas pessoas que estavam sem contato com a família há mais de sete anos


    A polícia acredita que a seita tenha cerca de 6 mil fiéis que vivem nas comunidades. Em uma próxima etapa da operação, as propriedades devem ser devolvidas às pessoas e todos os direitos trabalhistas e salários devem ser pagos às vítimas.

    Ainda segundo os delegados, a igreja em São Paulo continua em funcionamento e não é investigada pela polícia. A seita religiosa funcionaria de forma desvinculada à igreja.
    Operação "De volta para Canaã"

    Na operação "De volta para Canaã", estão sendo cumpridos 129 mandados judiciais, entre eles seis de prisão temporária, seis de busca e apreensão e 47 de condução coercitiva, além de 70 mandados de sequestro de bens, envolvendo imóveis, veículos e dinheiro.

    Na Bíblia, Canaã se refere à terra prometida por Deus ao seu povo, o que motivou o longo êxodo dos hebreus para a terra de Israel. Em 2013, a PF já havia deflagrado a "Operação Canaã" em cidades de Minas Gerais, e nesta etapa, a operação foi nomeada "De volta para Canaã".

    Entre os delegados da Polícia Federal que participaram da operação estão João Carlos Girotto e Thiago Severo Rezende, da Polícia Federal em Minas Gerais, e o chefe da Unidade de Repressão ao Tráfico de Pessoas, do Departamento da Polícia Federal em Brasília (DF), Alexander Taketomi.

    As investigações apontaram que os dirigentes da seita religiosa estariam mantendo pessoas em regime de escravidão nas fazendas do Sul de Minas, onde desenvolviam suas atividades e rituais religiosos.

    No Sul de Minas, os mandados expedidos pela 4ª Vara Federal em Belo Horizonte (MG) estão sendo cumpridos nas cidades de Pouso Alegre, Poços de Caldas, Andrelândia, Minduri, São Vicente de Minas e Lavras. Além de Minas Gerais, também há mandados sendo cumpridos em São Paulo e nas cidades baianas de Carrancas, Remanso, Marporá, Barra, Ibotiram e Cotegipe.

    Operação "Canaã" em 2013

    A seita começou a ser investigada em 2011, e os trabalhos resultaram na deflagração da "Operação Canaã" em 2013, quando a Polícia Federal, o Ministério do Trabalho e Emprego e o Ministério Público do Trabalho fizeram inspeções em propriedades rurais. As precárias condições de alojamento e trabalho foram denunciadas aos órgãos.

    Na época, cerca de 800 integrantes da organização moravam em cinco fazendas em São Vicente de
    Minas e Minduri. Conforme as investigações da época, foi identificado um sofisticado esquema de exploração do trabalho humano e lavagem de dinheiro levado a cabo por dirigentes e líderes religiosos.

    Durante a operação, dois membros da seita "Comunidade Evangélica Jesus, a verdade que marca" foram presos por apropriação indébita de cartões do programa "Bolsa Família" e de aposentadoria. Com eles, foram encontrados cartões do programa e da Previdência Social que, segundo o delegado que comandou a operação, João Carlos Girotto, pertenciam a integrantes da seita.

    Para a polícia, apesar de se organizarem em associações comunitárias sem fins lucrativos, a seita funcionava como uma empresa comercial. Apesar da suspeita de que seguidores trabalhavam ilegalmente em fazendas e comércios da igreja, na época não foi comprovado o trabalho escravo.
    Segundo a Polícia Federal, a seita teve origem em Ribeirão Preto (SP) e São José do Rio Preto (SP), mas em 2012, mudou-se para Minas Gerais. O grupo religioso atua nas cidades mineiras de Minduri, Andrelândia, Madre de Deus e São Vicente de Minas.

    Fonte G1

    terça-feira, 4 de agosto de 2015

    Delator que acusou Cunha também fez repasse à Assembleia de Deus

    Quebra de sigilo das empresas de Júlio Camargo revela que ele aportou R$ 125 mil em uma filial da Assembleia de Deus Madureira, simpática ao presidente da Câmara dos Deputados

    Julio Camargo. Foto: Reprodução
    Julio Camargo. Foto: Reprodução

    O lobista e delator da Lava Jato Júlio Camargo repassou R$ 125 mil para a igreja evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira, em Campinas (SP). A informação consta da quebra de sigilo bancário da empresa Treviso, utilizada por Camargo para repassar propinas no esquema de corrupção na Petrobrás revelado pela Lava Jato. Nem o pastor da igreja nem a defesa de Júlio Camargo, que negou que ele seja evangélico, quiseram dar explicações sobre o repasse.

    Laudo da Polícia Federal aponta que a quantia foi repassada entre 2008 e 2014, sem detalhar se o valor foi pago de uma só vez ou em parcelas. A movimentação é a única feita no período pelas duas empresas de Júlio Camargo (Piemonte e Treviso) que teve como destino uma instituição religiosa.

    O repasse mostra que o delator que disse à Justiça ter sido pressionado pelo presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) a pagar propina de US$ 5 milhões, também repassou dinheiro para uma igreja simpática ao deputado expoente da bancada evangélica. O parlamentar é um dos políticos alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal por suspeita de envolvimento no esquema de propinas na Petrobrás revelado pela Lava Jato.

    VEJA O TRECHO DO LAUDO QUE DESCREVE OS DESTINATÁRIOS DE RECURSOS DA TREVISO

    imagemdestinatáriotreviso


    Igreja Evangélica Assembleia de Deus’, nome registrado da Assembleia de Deus Madureira em Campinas (SP)

    Culto. Em fevereiro deste ano, Cunha chegou a participar de um culto de mais de duas horas em comemoração a sua eleição para a Presidência da Câmara junto com outros políticos na Assembleia de Deus Madureira, no Rio de Janeiro. Na ocasião ele declarou ter trocado a Igreja Sara Nossa Terra pela Assembleia de Deus Madureira. A bancada evangélica foi uma das que mais apoiou Cunha na eleição para a Presidência da Câmara.

    VEJA OUTRO TRECHO DO LAUDO QUE DESCREVE OS DESTINATÁRIOS DA PIEMONTE

    cunhaassembleia
    Eduardo Cunha durante culto na Assembleia de Deus Madureira no Rio
    em comemoração a sua vitória na disputa para a Presidência da Câmara.
    Foto: Marcos Arcoverde/Estadão


    O presidente da Assembleia de Deus Madureira no Rio, pastor Abner Ferreira, contemplou o presidente da Câmara no culto. “O Satanás teve que recolher cada uma das ferramentas preparadas contra nós. Nosso irmão em Cristo é o terceiro homem mais importante da República”, disse o religioso na época. Abner Ferreira é irmão do pastor Samuel Ferreira, que preside a Assembleia de Deus no Brás, em São Paulo, e aparece no registro da Receita Federal como presidente da Assembleia de Deus Madureira em Campinas, que recebeu os R$ 125 mil da empresa de Júlio Camargo.

    Réu na Lava Jato, Júlio Camargo fez acordo de delação e admitiu a existência do cartel de empreiteiras que atuava na Petrobrás e também ter utilizado suas empresas para operar propinas aos executivos da estatal indicados por partidos políticos.  Após dizer à Justiça que Cunha era destinatário da propina de US$ 5 milhões, a advogada de Júlio Camargo Beatriz Catta Preta deixou todos os seus clientes da Lava Jato, um total de nove delatores, e disse nesta quinta ao Estado que decidiu abandonar a advocacia, pois vinha sendo ameaçada “insistentemente”.
    As empresas de Júlio também fizeram doações oficiais para campanhas de políticos em 2010 e 2012 que totalizaram R$ 1 milhão. Dentre os que receberam recursos estão o líder do governo no Senado Delcídio Amaral, que recebeu R$ 200 mil em 2010, e a senadora Marta Suplicy (sem partido) que recebeu R$ 100 mil também em 2010. Também foram feitas doações de R$ 150 mil ao diretório nacional do PMDB.

    COM A PALAVRA, A DEFESA

    A reportagem entrou em contato com a assessoria do pastor Samuel Ferreira, que informou que ele não iria se manifestar sobre o caso. A defesa de Júlio Camargo afirmou que ele não é evangélico, mas também não quis comentar a transação.
    A reportagem também telefonou para o celular de Eduardo Cunha, que não atendeu.

    Estadão

    sexta-feira, 31 de julho de 2015

    Carro que pegou fogo com R$ 100 mil na Via Dutra era de pastor evangélico.

    BARRA MANSA — Foi identificado como José Rodrigo da Costa, pastor da Igreja Universal do Reino de Deus, o dono do Mitsubishi Airtreck, placa MQS-6870 (SP), que pegou fogo no dia 1º deste mês, na Via Dutra, em Barra Mansa, no Sul Fluminense. Na ocasião, o veículo foi abandonado quando estava em chamas, e mais de R$ 100 mil que estavam no motor do automóvel foram queimados parcialmente.
    O nome do pastor foi revelado pelo comerciante Emerson Pereira, de 32 anos, dono de uma revendedora de veículos Barut, localizada no bairro da Freguesia do Ó, na capital paulista. Ele esteve recentemente na 90ª DP (Barra Mansa), onde prestou depoimento ao delegado adjunto Michel Floroschk, que investiga o caso.
    O comerciante comentou com o radialista Tico Balanço, da Rádio Sul Fluminense, após o depoimento, que o pastor comprou o carro na agência dele no dia 30 de junho. Ainda segundo Emerson, o pastor disse que viajaria no outro dia para o Rio, onde, com dinheiro do dízimo dos fiéis, ia montar uma igreja.
    A polícia não tem mais dúvida da procedência do dinheiro. Foram encontradas cédulas de R$ 2, R$ 5, e R$ 50 — fato que fez com que o policial rodoviário federal Carlos Fernandes Nogueira suspeitasse na época que o dinheiro fosse de traficante. A polícia chegou ao dono da agência de veículos por meio da placa do veículo. Emerson disse que o pastor adquiriu o carro à vista, em dinheiro.
    A transferência de propriedade ainda não tinha sido providenciada. O carro foi encontrado pegando fogo no km 276 da estrada, próximo a Barra Mansa, por bombeiros que foram acionados pela Concessionária Nova Dutra, que administra a rodovia. Testemunhas viram quando duas pessoas tentaram conter o fogo e fugiram diante da aproximação dos bombeiros. Eles entraram num carro que estava parado na outra pista da rodovia, sentido Rio.
    A polícia agora tenta localizar o comprador. O delegado disse que pretendem descobrir por que o dinheiro estava escondido dentro do motor do veículo e também por que o suposto pastor fugiu abandonando o carro importado.
    O veículo foi levado para o pátio da delegacia de Barra Mansa, onde foi periciado junto com as cédulas. A polícia também aguarda o resultado do laudo do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE).


    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/carro-que-pegou-fogo-com-100-mil-na-via-dutra-era-de-pastor-evangelico-5430483#ixzz3hVexwCUa 
    © 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 


    https://www.blogger.com/blogger.g?blogID=6585813478994151512#editor/src=sidebar


    Dois pastores da Igreja Universal são presos com R$ 50 mil após fuga de blitz da Polícia Militar

    Dois pastores da Igreja Universal do Reino de Deus foram presos com R$ 50 mil durante umablitz de trânsito na cidade de Votuporanga, interior de São Paulo, na última terça-feira, 14 de julho.
    A Polícia Militar desconfiou da dupla, que trafegava em um VW Gol e, ao avistar a fiscalização, arrancou bruscamente e empreendeu fuga, desobedecendo ao comando de parada dos policiais.
    A fuga dos pastores deu início a uma perseguição pelas ruas do centro da cidade, e a Polícia só conseguiu pará-los quando chegaram à rodovia Euclides da Cunha, já na periferia de Votuporanga.
    O trajeto do local da blitz até a rodovia tem aproximadamente 10 quilômetros e a perseguição levou cerca de 20 minutos, de acordo com informações do Diário da Região.
    Os pastores, que têm 45 e 25 anos respectivamente, não tiveram sua identidade divulgada pelos policiais, mas foram descritos como pastores da Igreja Universal. Encaminhados ao Plantão Policial, os dois foram indiciados por direção perigosa e após prestarem depoimento foram liberados.

    Policial puxa arma e expusa pastores da igreja universal e fecha catedral


    sexta-feira, 10 de julho de 2015

    Pastor acusado de pedofilia é preso em Formosa


    pastor formosa abuso sexualO pastor de uma Igreja Evangélica de Formosa, Clemilson Casemiro Pereira, de 43 anos, foi preso na manhã de ontem (30), acusado de estupro de vulnerável.
    De acordo com a responsável pelo caso, Delegada Fernanda Lima, os abusos sexuais ocorreram entre os anos de 2007, 2008 e 2012. Segundo ela, a polícia recebeu a denúncia em dezembro de 2014, e durante as investigações, que duraram sete meses, outra vítima foi identificada. Uma das crianças tem 12 anos e a outra sofreu os abusos quando tinha entre 9 e 10 anos.
    Segundo a delegada, o pastor usava da boa fé das famílias das vítimas e praticava os atos libidinosos nas residências delas. A polícia acredita que devem surgir novas vítimas no caso, e que elas podem ter sido abusadas na igreja.

    http://diariodegoias.com.br/cidades/16147-pastor-acusado-de-pedofilia-e-preso-em-formosa

    PASTOR MATA ESPOSA ESTRANGULADA ENQUANTO ELA DORMIA


        Pastor mata esposa estrangulada enquanto ela dormia

    No último fim de semana uma mulher morreu após ser estrangulada no município de Anchieta no Espirito Santo (80 km de Vitória). O acusado de cometer o crime é o próprio marido da vítima, um pastor de uma igreja evangélica. A filha do casal, uma menina de apenas um ano, também foi agredida pelo homem e precisou ser removida de helicóptero para capital do estado Vitória, em estado grave. Segundo informações, o homem identificado apenas como pastor João agrediu e matou a esposa estrangulada enquanto ela estava dormindo, fato registrado no bairro Justiça. Logo em seguida, ele ligou para a sogra pedindo perdão pelo que tinha feito e fugiu em seguida. A Polícia Civil esteve no local e agora está investigando para encontrar pistas que levem ao autor do crime suas motivações. O corpo da jovem foi levado ao IML e em seguida liberado para sepultamento. 

    http://diariodegoias.com.br/cidades/16147-pastor-acusado-de-pedofilia-e-preso-em-formosa

    Homem que se passava por pastor é preso acusado de diversos crimes


    Um homem que se passava por pastor religioso foi preso, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife, no momento em que participava de um culto. De acordo com a polícia, o homem, de 34 anos, faz parte de uma quadrilha que é acusada de roubos e também sequestros no Agreste do estado. Ele também é investigado por ter cometido um homicídio em 2007, em Igarassu.
    O homem foi encaminhado ao Centro de Triagem (Cotel), em Abreu e Lima. "Ele confirma a prática dos crimes. E diz que há seis anos se converteu e, desde então, havia deixado o mundo do crime e estava operando nas igrejas. Ele se denominava Wendel Fênix. É por esse nome que ele é conhecido nos cultos e igrejas. É o segundo indivíduo da quadrilha a ser preso, nos resta ainda identificar outros dois, dos quais temos apenas os apelidos. Mas agora com o depoimento desse preso, talvez possamos chegar a identificar os outros dois", detalhou o delegado Cláudio Castro, responsável pela prisão.
    http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/2015/07/pastor-acusado-de-diversos-crimes-e-preso-em-pernambuco.html

    sexta-feira, 26 de junho de 2015

    PASTOR DE SÃO VICENTE , ARARUAMA, PRESO POR LATROCÍNIO E OCULTAÇÃO DE CADÁVER

    polícia
    Agentes da 118a DP Araruama prenderam no início da manhã desta terça-feira (24), REINALDO SOUZA DE OLIVEIRA, 44 anos, contra o qual havia três mandados de prisão expedidos pela 31a Vara da Capital, sendo o último proveniente de Sentença Condenatória, onde foi condenado a vinte e dois anos de reclusão pela prática de crime de Latrocínio e Ocultação de Cadáver.

    Segundo a denúncia do MP, em 19/07/1995, Reinaldo e mais um comparsa, que era segurança de uma Boate no bairro do Leblon/RJ, aplicaram o golpe conhecido como “Boa Noite Cinderela” em um homossexual que trabalhava como bancário, morador do mesmo bairro, e após roubarem dinheiro, eletrodomésticos e o carro da vítima, resolveram matá-lo e se livrarem do corpo, eis que o comparsa de Reinaldo ficou com receio de ser Reconhecido.

    Desde então Reinaldo se refugiou na cidade de Araruama, e atualmente era Pastor de uma pequena Igreja Evangélica no distrito de São Vicente.

    Jornais de Araruama

    Pastor da Assembleia de Deus é preso com droga na capital

     

    Um pastor da igreja evangélica Assembleia de Deus foi preso na tarde desta última quarta-feira (25) em Rio Branco, após uma abordagem policial no bairro Esperança.

    Segundo informações policiais, o pastor identificado pelo nome de Oziel Muniz Conde, 45 anos de idade, estava em seu automóvel com outro homem identificado pelo nome de Pedro Nunes da Costa, 36 anos, quando os policiais decidiram revistar os suspeitos.

    Em posse do pastor evangélico os PM’s encontraram cinco envelopes de cocaína, além de material para manuseio do entorpecente, com o homem que acompanhava o pastor dentro do veículo foi encontrada uma quantidade de maconha.

    Oziel Muniz é filho de uma das maiores lideranças evangélicas no estado, o Pastor Levi Mendes Conde, responsável por um reconhecido trabalho de ampliação de sua congregação religiosa no período em que liderou a Assembleia de Deus no Acre.

    Após o flagrante ambos os envolvidos foram encaminhados até a Delegacia de Flagrantes onde foram ouvidos pelo Delegado de plantão e realizaram os procedimentos legais provenientes ao caso.  A redação do jornal Acreaovivo tentou sem sucesso contato com representantes da Assembleia de Deus em Rio Branco para falar sobre o caso.

    Fonte: Acreaovivo.com

    domingo, 14 de junho de 2015

    BISPO DA IGREJA MUNDIAL DÁ GOLPE EM HAITIANOS.

    Eles receberam a promessa de que atuariam como missionários no México e receberiam um salário de US$ 1.300, mas, no dia da viagem, pastor sumiu com todo o dinheiro dos imigrantes.
    Desempregados e sem dinheiro, oito haitianos que moram há pelo menos quatro anos no Brasil viram a oportunidade de trabalhar como missionários na Igreja Mundial do Poder de Deus como a forma de melhorar de vida. O convite foi feito por um bispo, conhecido como Anderson Rezende, e que coordenava a igreja na região de Itaquera, na zona leste de São Paulo. A promessa era de que o grupo seria levado para o México, onde cada integrante ganharia um salário de US$ 1.300 por mês, equivalente a R$ 4.000. 
    No entando, para ganhar esse dinheiro, cada um precisaria desembolsar R$ 5.000 pela viagem, tudo pago antecipadamente para o bispo. No dia da viagem, marcada para 27 de maio, o bispo sumiu.  Desligou o telefone e fugiu de casa. Dupuy Valere, de 28 anos, e os outros sete haitianos tiveram todos os documentos levados.
    A Igreja Mundial do Poder de Deus confirmou que Anderson Rezende era bispo da entidade evangélica, mas alega que ele se desligou em junho do ano passado para abrir uma nova igreja. Anderson usou recibos e fichas de inscrição com a identificação da entidade. Além disso, fez reuniões com os haitianos sobre a viagem ao México dentro da unidade de Itaquera. A Igreja Mundial do Poder de Deus nega que contrate missionários para países estrangeiros. O pastor Felipe Leite, braço direito do bispo Roberto Santana, que comanda a Mundial, afirma que a igreja não compactua com essa atitude.
    A reportagem da CBN tentou contato pelo celular com Anderson, mas ele não atendeu as ligações. A Polícia Civil investiga o paradeiro e supostos cúmplices do crime. Ele deve responder por estelionato.

    http://cbn.globoradio.globo.com/sao-paulo/2015/06/08/HAITIANOS-PAGAM-R-40-MIL-A-BISPO-DA-IGREJA-MUNDIAL-DO-PODER-DE-DEUS-EM-SP-TROCA-DE-TRABA.htm


    Haitianos têm recibo de pagamentos feito a bispo (Crédito: Edgar Maciel / CBN)
    Haitianos têm recibo de pagamentos feito a bispo
    (Crédito: Edgar Maciel / CBN)

    duração: 02:1


    Leia mais: http://cbn.globoradio.globo.com/sao-paulo/2015/06/08/HAITIANOS-PAGAM-R-40-MIL-A-BISPO-DA-IGREJA-MUNDIAL-DO-PODER-DE-DEUS-EM-SP-TROCA-DE-TRABA.htm#ixzz3d2Opo3aH

    sexta-feira, 22 de maio de 2015

    CANTORA EVANGÉLICA FAZ UMA SELF TRANSANDO COM PASTOR DA ASSEMBLEIA DE DEUS E CAI NA REDE.

    Uma "self" tirada por uma jovem fazendo sexo com um homem de meia idade. Normal né? Se não fosse o fato dela ser membro e cantora de uma igreja muito conservadora e tradicional. E o que é pior, o homem é seu pastor Antônio Manoel Sousa.
    Fotos que circulam nas redes sociais mostram a jovem Priscila Yasmin Castilho, da Assembleia de Deus da cidade de Vilhena, fazendo sexo com o pastor em pose na qual podem ser reconhecidos perfeitamente, tanto pela qualidade da foto quanto pelos rostos, de frente, num momento de muito prazer.
    Visualizando a página da moça no facebook, percebe-se através das fotos, que a cantora da igreja evangélica, agradece ao pastor Antônio Manoel Sousa em várias situações e segundo os comentários feitos nas redes sociais, é o mesmo que aparece de forma mais íntima com a jovem evangélica.
    Inicialmente pensamos se tratar de “fake”, porém ao investigar o caso no próprio facebook, concluímos que trata-se das mesmas pessoas.
    Parece que esse é um pastor presente em todas as horas na vida de suas “ovelhas”.

    Fonte: Agora Amazonas
    Fotos: WhatsApp/Facebook


    http://www.sertaodaparaiba.com.br/noticia/policial/2015/05/cantora-evangelica-faz-selfie-transando-com-pastor-casado-e-fotos-vazam-na-internet/1960.html

    quinta-feira, 21 de maio de 2015

    Igreja protestante da França decide abençoar casamentos gays

    Resultado de imagem para casamentos gays

    A iniciativa de acolher os casais homossexuais com uma bênção formal às uniões já regularizadas no registro civil será uma decisão facultativa de cada pastor.

    A decisão foi aprovada neste domingo (17) pela ampla maioria dos participantes de um sínodo protestante. A bênção aos casais homossexuais recebeu 94 votos a favor e apenas três contra, no mesmo dia em que associações programaram manifestações para marcar o Dia Internacional de Combate à Homofobia.

    O pastor Laurent Schlumberger, que participou do sínodo ocorrido em Sète (sul), ficou impressionado com o clima que ele descreveu como "excelente" durante a votação. Segundo o reverendo, a sessão foi marcada pela "confiança e fraternidade" entre os participantes. Schlumberger é presidente do conselho nacional da Igreja Protestante Unida (Epuf), a mais antiga corrente do protestantismo instalada no território francês. A instituição reúne 250 mil fiéis e 500 pastores em todo o país.

    O reverendo Marc Pernot, pastor do Oratório do Louvre, uma das principais paróquias protestantes de Paris, disse em entrevista à RFI ter ficado "um pouco surpreso" com o resultado favorável e "contente com o consenso sobre a questão". Até agora, o reverendo Pernot só podia abençoar os casais de pessoas do mesmo sexo em um local privado. Ele explicou que o fato de ser autorizado a abençoar as uniões homossexuais em público, nas instalações da igreja, é uma conquista importante para muitos fiéis.

    A iniciativa de acolher os casais homossexuais com uma bênção formal às uniões já regularizadas no registro civil será uma decisão facultativa de cada pastor. O benefício é concedido dois anos depois da regulamentação do casamento gay na França, promulgado em maio de 2013.

    Precedente

    Até agora, só a Missão Popular Evangélica francesa autorizava seus pastores a acolher homossexuais em suas celebrações. Essa igreja é, no entanto, menos representativa do que a Igreja Protestante Unida, uma corrente histórica no protestantismo francês.

    Segundo o especialista e historiador de religiões Odon Vallet, a decisão da Epuf revela uma evolução do "Movimento Casamento para Todos", que militou pela legalização do casamento gay. Em outros países, onde a presença dos protestantes é mais numerosa, como nos Estados Unidos, no Canadá e em países escandinavos, a bênção a casais do mesmo sexo é mais frequente.

    "Para o protestantismo, ao contrário do catolicismo, o casamento não é um sacramento", explica Vallet. "É um fato social, importante, mas não um ato de veneração", diz o historiador. Ele considera que a aceitação do casamento entre pessoas do mesmo sexo é algo "inimaginável" na Igreja Católica, mas nota que alguns padres contrariam a proibição.

    Fonte: RFI - Portugal

    Monitoramento

    Locations of visitors to this page

    Radio Macabeus.

    II Vídeo